terça-feira, 25 de maio de 2010

Não só apenas um sonho!

Meia rasgada, um último cigarro no bolso, um resto de bebida na garrafa que mal dá para dois goles, sapatos na mão. Fim de noite. Todos embreagados, cambaleando e rindo, sem a mínima noção mais do que estão fazendo. Todos iguais, mas ela se destaca. Pelo menos ao meu ver. Ela não é nem bonita nem feia. Seus cabelos agora, todos desgrenhados davam um ar diferente. Algo me dizia que ela não ria assim fazia um bom tempo. Mas não foi apenas sua condição física que chamou minha atenção. Eu sabia que ela estava sofrendo e que alguém estava brincando com seus sentimentos. Não sei o porquê desta minha concepção. Só sei que a observava de longe. E do nada alguém começou a falar dele. Pronto! Toda a alegria se foi e as lágrimas tomavam conta de sua face. "Como aquele babaca é indeferente a mim? Como ele pode não me amar, se eu faço de tudo para que isso aconteça? Como?" - gritava ela.
De uma vez só, ela virou toda a bebida e jogou a garrafa longe. Todos a acalmaram e suas lágrimas foram embora. Chegaram a um ponto de táxi e se foram. Acordei, vi que era um sonho e levantei-me. Durante o café foi que percebi que a menina do sonho não era uma desconhecida. Era eu!

3 comentários:

Rogério disse...

sonhando acordada o pior dos pesadelos, hein garotinha?

O TIO SUKITA disse...

ei! ótimo texto! me atrevo a dizer que "ele" deveria ser deixado para trás de uma vez... sofrer só por quem vale a pena, baby. a fila tem que andar mais cedo ou mais tarde!

Sophia disse...

concordo com vocês, mas se fosse fácil assim já teria superado há bastante tempo.

Postar um comentário

 
↑Top